Entrevista com Cristiano Siqueira

1.    Iaew Cristiano, Bem vindo e para começar voce pode falar um pouco sobre sua historia, diga-nos de onde você é, e como você começou na area das artes digitais? Você não quis fazer nenhuma formação academica neste area?

É um prazer falar com vocês e obrigado pela oportunidade. Eu sou um ilustrador de São Paulo, Brasil. Eu trabalho como freelancer em meu escritório em casa, no centro de São Paulo. Faço trabalhos para editoras, design de embalagens e publicidade.

Nas artes digitais, comecei logo que comecei a trabalhar como designer. Minha formação é em artes tradicionais, mas eu comecei a trabalhar em design gráfico com softwares como Photoshop e Illustrator. Eu não tive nenhum treinamento formal em software. Em vez disso, eu aprendi tudo no trabalho, com a ajuda de colegas de trabalho, e livros. Eu não sei se eu posso me considerar como “auto-didata, mas eu acho que fiz a metade do caminho.

 

 

2.    Quanto tempo você faz vetorização? O que fez você escolher Illustrator e arte vetorial como um meio de expressar a sua criatividade? Qual outro software voce usa e como é seu local de trabalho ?

Eu comecei com vetores no meu primeiro emprego. Como eu disse acima, eu só comecei a usar o software quando eu comecei a trabalhar como designer gráfico. Minha tarefa era redesenhar logomarcas em vetor. Eles tinham muitos logotipos digitalizados a partir do papel e eu precisava fazer versões em vetor deles. Assim, o primeiro software que eu usei foi o illustrator e estava na versao 7.
Usando Illustrator quase todos os dias, eu pude ter alguma prática com a ferramenta Pen e outros recursos, então eu percebi que eu poderia fazer algum desenho a mão no Illustrator também. Gostei muito das linhas perfeitas que poderia desenhar com a ferramenta Pen, um pouco melhor do que a minha habilidade para desenhar linhas perfeitas à mão. Eu comecei a pintar meus desenhos no Illustrator e depois eu comecei a dar cores também.

Ultimamente, estou usando o Illustrator e o Photoshop. Às vezes Poser para ajudar com questões de anatomia. O meu local de trabalho é limpo, uma grande mesa com alguns elementos sobre ele. Apenas o computador, uma lâmpada, um calendário, um telefone e algumas canetas e lápis … Às vezes, a tablet… paredes vazias … apenas isso.

 

 

 

3. Você começou com um background de arte tradicional. Como isso influenciou seu trabalho como artista digital? Quando foi a transição em trabalhar com illustrator nas suas peças de arte? Foi uma transição fácil? De que modo a arte tradicional é diferente da arte digital, vetorial em particular?

O conhecimento que a arte tradicional  me deu foram todas as habilidades básicas necessárias para desenvolver meu trabalho no ambiente digital. Eu pude aprender a pensar primeiro na imagem antes de fazer-la, o plano de composição mais, a fonte de luz, o sombreamento, e como tudo vai funcionar em toda a imagem. 

A transição de técnicas tradicionais para o sistema digital aconteceu quando eu comecei a trabalhar com design gráfico e comecei a trabalhar todos os dias com computador e programas gráficos. A transição não foi fácil e eu tive que mudar um pouco a minha maneira de trabalhar, adaptando-se às ferramentas digitais, tentando extrair o melhor de ambos os modos, digital e tradicional, e misturá-los todos em formato digital. 

A principal diferença entre o tradicional e o digital é que você pode trabalhar com materiais virtuais. Significa que não há sujeira, sem despesas e não ter de ser tão dependente de bons materiais para fazer o melhor trabalho. No trabalho tradicional, temos de encontrar os melhores materiais para cada técnica, um bom papel para aquarela, bons pincéis e tintas a oleo e nós precisamos ser muito hábeis em desenhos manuais para desfrutar ao máximo dos matérias e não perder muito tempo fazendo correções. 

No digital, você pode simular os efeitos das técnicas tradicionais, você não tem sujeira, você não precisa se preocupar com papéis ou outros materiais, você não precisa ser um ás na desenho porque você tem ferramentas que ajudam você a fazer a linha perfeita, as cores perfeitas. Nos padrões da indústria de design gráfico, as obras digitais podem encaixar muito bem em qualquer processo de impressão, você pode preparar seu arquivo considerando algum processo de impressão e otimizar o seu trabalho para o melhor resultado. 

De qualquer forma, o digital não é melhor do que a tradicional, é apenas diferente, e otimizado para uma aplicação. Ambos (digital e tradicional) são formas que as pessoas possam expressar seus sentimentos, mensagens e comunicar-se. Eles podem oferecer os mesmos produtos.

 

 

 

 

4. Qual é o seu  tipico workflow desda ideia a conclusão? Quanto tempo você passa  pesquisando e quais são os seus recursos de pesquisa? O que você  ve em sua tela no final do processo sempre coincidem com a imagem mental que você tinha originalmente ou está em constante evolução?

Bem perguntado! Todo o meu trabalho começa na concepção. Não importa se é um trabalho para um cliente ou pessoal. Eu sempre procuro orientar meus processo através do conceito, a mensagem de que preciso para transmitir ou inspirar. Uma vez que tenho um conceito (dado pelo cliente ou de mim mesmo) que eu comeco a pesquisa de informações relevantes sobre o tema. Além disso procurar referencias que possam me ajudar (ou não) no meu processo de criação

Assim, após a pesquisa eu posso ter boas idéias para as imagens e, eu começo a fazer alguns pequenos sketch, como miniaturas, no meu sketchbook. Isto é só para ter uma visão geral sobre como o trabalho sera. Eu posso fazer 2, 3 ou  4  miniaturas, o importante é conseguir uma sugestão satisfatório da composição. Nesta etapa, eu posso ver se será necessário encontrar mais referências para desenhar todos os elementos necessários.

Com a miniatura feita e aprovada, eu vou para o Photoshop e começar a refinar essa miniatura em um esboço da cena. Eu redesenhar as miniaturas em um formato maior, provavelmente o formato final do trabalho, mas em uma baixa resolução e eu começo a acrescentar mais detalhes, faça as anatomias com as proporções corretas, defina a fonte de luz com algum sombreamento simples e, às vezes eu jogo com algumas cores básicas. Nesta etapa eu estou tentando definir a composição, os elementos, na verdade eu estou fazendo a ilustração agora, mas sem qualquer perfeição dos pequenos detalhes. Nesta etapa, também, eu uso as referências para desenhar o que não me lembro ou não tenho habilidade suficiente para fazer.

Neste momento, tenho 50% do trabalho feito. Então eu posso ir para o Illustrator para terminá-lo em um vetor de trabalho ou continuar trabalhando no Photoshop, detalhando e detalhando, até atingir o aspecto final. Aqui eu uso todas as referências possíveis para tornar cada detalhe com perfeição, pelo menos, para torná-los como eu queria.

Na maioria das vezes, o trabalho final é realmente o que eu estava procurando. Eu tento não sair do conceito inicial que eu tinha em mente. Algumas mudanças acontecem no processo, alguns ajustes são feitos, mas o conceito geral imaginava é mantida. Posso também alterar a técnica que eu pensava para terminar o trabalho. A questão é que eu tento representar o conceito inicial usando o melhor caminho.

 

5. Ao fazer o trabalho do cliente, como você encontrar o equilíbrio entre o que eles querem e o que você vê como o produto final? Quais são os prós e os contras de fazer freelancing e qual sua opinião ?

Bem, isso depende do cliente. Eu tento encontrar a melhor maneira de trabalhar e eu tento entender o que o cliente necessita. Alguns clientes querem apenas uma técnica minha,  então eles querem dirigir a ilustração em todas as etapas da produção … sugerindo detalhes e tudo mais. Alguns clientes ainda vem com um conceito acabado, eles precisam apenas o trabalho concluído. Essa não é minha maneira favorita de trabalho, honestamente, mas uma vez aceito o trabalho  eu tento oferecer o melhor.

Outros clientes querem o meu trabalho criativo, assim que eles vêm com apenas uma idéia aproximada e podemos discutir algumas soluções. Creio que esta é a melhor maneira de oferecer um trabalho muito criativo e obter um produto satisfatório para o cliente. Na verdade, esta é a minha maneira favorita de trabalho! Assim, em ambos os casos, a solução é andar com o cliente para o produto final que você tanto procura.

Ser um freelancer é uma coisa boa porque posso interagir, em quase todas as etapas do trabalho criativo. Além disso, eu me sinto um pouco mais de respeito pelo meu trabalho e do pagamento que eu recebo é suficiente e justa. Os problemas de ser um freelancer é que eu preciso para cuidar de tudo, contratos, faturamento … Eu preciso administrar o meu tempo com a disciplina, caso contrário eu não posso cuidar dos meus negócios e não posso fazer ilustrações. É difícil dividir o meu cérebro em uma pessoa criativa e uma pessoa burocrático.

 

 

 

6. Cristiano, obrigado pela entrevista e pelo seu tempo. algum pensamento final? Que conselho você daria para os jovens considerando ilustração como uma profissão e que olham para o seu trabalho como fonte de inspiração?

Foi um prazer! Para os jovens ilustradores meu único conselho é: Tente conhecer a indústria muito bem para conduzir o seu trabalho para ser original, aprender a ler e compreender os contratos e demais encargos, e aprimorar o seu trabalho. Para as pessoas que vêem o meu trabalho como inspiração, bem, devo dizer um grande obrigado e espero nunca decepcioná-lo!

 

Para ver e conhecer mais veja no portfolio dele http://www.crisvector.com/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s